Biografia

Vencedor do Pro Musicis International Award (Nova York, 2001), o violonista brasileiro Luiz Mantovani tem se apresentado regularmente como solista e camerista em algumas das mais importantes salas de concerto nacionais e internacionais. Na ocasião de uma de suas performances na Weill Recital Hall/Carnegie Hall em 2005, o jornal The New York Times referiu-se à sua execução das Cinco Bagatelas de William Walton como “poderosa, belamente delineada e praticamente impecável”. Em 2010 realizou a estréia mundial do Concerto para Violão do compositor israelense Lior Navok, obra a ele dedicada, atuando como solista frente à Israel Sinfonietta Beer Sheva.

Entre os destaques de temporadas passadas estão recitais solo e de música de câmara na Salle Cortot em Paris, Conservatório Tchaikovsky de Moscou, Jordan Hall em Boston, Hong Kong City Hall, 92 St. Y em Nova York, Beethovensaal em Hanover e Sala Cecília Meireles no Rio de Janeiro, bem como transmissões ao vivo pela rádio pública americana NPR de Boston, Washington D.C. e Austin. Como solista de orquestra já se apresentou à frente da Orquestra Sinfônica da Nova Rússia, Boston Modern Orchestra Project, Petrobrás Sinfônica, Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Orquestra Sinfônica Paulista e Camerata Florianópolis, entre outras.

Dono de um repertório que engloba cinco séculos da História da Música, seus diversificados programas abrangem desde suas próprias transcrições de música antiga para instrumentos dedilhados até peças dedicadas a ele por compositores da atualidade. Foi responsável por estréias nacionais e mundiais de obras para violão solo e música de câmara do americano David Leisner, do israelense Lior Navok e dos brasileiros Ronaldo Miranda, Raul do Valle, Acácio Piedade e Liduíno Pitombeira. Seu primeiro CD solo, Appassionata, foi gravado em 1998 e desde então tem realizado diversas gravações, incluindo música para cinema e em colaboração com conjuntos do porte do Boston Musica Viva.

Desenvolvendo uma intensa atividade como camerista, Luiz Mantovani integrou o Quarteto Brasileiro de Violões de 2004 a 2015, com quem se apresentou regularmente em turnês por quatro continentes. Com o quarteto, gravou três CDs pelo selo norte-americano Delos: a versão integral da Suite Iberia de Albéniz, Brazilian Guitar Quartet plays Villa-Lobos (vencedor do Grammy Latino de 2011 na categoria “melhor disco de música clássica”) e, mais recentemente, o álbum Spanish Dances, apresentando obras selecionadas de grandes compositores espanhóis. Tocou por vários anos em duo com o flautista Michel de Paula, tendo em 2012 encomendado e estreado a obra Brazilian Landscapes No.12 para flauta e violão, do compositor brasileiro Liduíno Pitombeira, na Weill Recital Hall/Carnegie Hall em Nova York. Em 2016 formou o NOVA Guitar Duo com a violonista alemã Nelly von Alven, que explora um repertório exclusivo a partir da combinação do violão tradicional com o violão de 8 cordas, também conhecido como “Brahms-guitar”.

Como bolsista da CAPES, no momento Luiz Mantovani cursa o Doutorado em Música no Royal College of Music, em Londres, onde investiga a música de câmara com violão do compositor austríaco Ferdinand Rebay. Ele foi o primeiro violonista a receber o prestigiado Artist Diploma pelo New England Conservatory of Music, em Boston, tendo obtido o título de Mestre em Música com distinção máxima também por aquela instituição, na condição de bolsista da Programa ApArtes/CAPES. No Brasil, formou-se Bacharel em Música pela Universidade do Rio de Janeiro – UNI-RIO. Seus principais professores de violão foram David Leisner, Nicolas Barros e Antônio Guedes.

Paralelamente à carreira de instrumentista, Luiz Mantovani é professor da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC em Florianópolis, onde é responsável pelo ensino de violão e música de câmara, além de coordenar o programa de extensão “Ponteio – Violão na Udesc”.


“Sua performance das Cinco Bagatelas de Walton foi poderosa, belamente delineada e praticamente impecável.”
The New York Times

“Foi um prazer ouvir então o Sr. Mantovani numa obra mais conhecida, que permitiu à platéia concentrar-se em seu talento como solista. Sua interpretação da Valsa-Choro de Villa-Lobos foi simplesmente perfeita em sua beleza melancólica.”
New York Concert Review

“Uma maravilhosa leitura do Concerto de Villa-Lobos.”
Boston Herald

“Mantovani ofereceu uma abundante demonstração de bravura no Concerto de Heitor Villa-Lobos.”
Boston Globe

Introdução e Capricho de Regondi encerrou a primeira metade do programa e trouxe todo seu talento à tona… Mantovani é capaz de feitos cintilantes e provará uma força a ser reconhecida.”
Classical Guitar Magazine